portal seguro e saúde

Mudanças nos planos de saúde devem impulsionar o mercado

Em:23/11/17 Por:barela

Conheça a proposta de atualização da Lei dos planos de saúde e saiba como elas vão beneficiar as vendas

Está em discussão no Congresso uma nova Lei para os planos de saúde. A proposta pretende atualizar as regras para oferecer mais equilíbrio financeiro ao setor de saúde suplementar e aumentar a oferta de produtos para os consumidores. Caso esses objetivos sejam alcançados, o mercado deve ganhar um impulso relevante em breve.

Inicialmente é preciso entender que esse projeto tem a principal finalidade de tornar o setor mais sustentável financeiramente. Atualmente, os gastos assistenciais têm aumentado em um ritmo em que o fluxo de caixa das operadoras não está sendo capazes de acompanhar, ou seja, não é mais possível repassar essa conta para as mensalidades dos clientes, que já estão pagando caro pelo plano.

Dessa maneira, as mudanças buscam economia ou uma nova distribuição de custos para tornar o plano de saúde mais barato. Nesse sentido, a autorização para o reajuste para beneficiários com mais de 60 anos (hoje proibido) vai dar um fôlego ao sistema e parcelar esse último reajuste para o cliente, que tinha que arcar com um aumento severo (por ser o último autorizado pela lei) quando completava 59 anos. Com as pessoas vivendo cada vez mais, é uma atitude lógica.

Outra ação que visa economia no sistema é que nas cirurgias que exijam a implantação de órteses e próteses, a operadora vai passar a indicar os fornecedores para o profissional de saúde escolher. Atualmente, o plano de saúde não tem controle sobre a compra desses materiais, o que impedia estratégias de economia como a compra em escala e facilitava fraudes.

Essas duas iniciativas, entre outras, podem contribuir para minimizar o impacto da chamada “inflação médica” no preço dos planos de saúde e estabelecer valores mais acessíveis para uma parcela da população que deseja ter o produto. Somente 25% dos brasileiros têm planos e, portanto, ainda existe um grande potencial de mercado a ser atingido.

Ao mesmo tempo em que procura baratear as opções já existentes, a proposta de mudança na lei também prevê a criação de novos produtos que podem ser mais adequadas para uma parcela de consumidores que não encontram um plano de acordo com suas necessidades.

Hoje é praticamente inexistente a oferta de planos de saúde para pessoa física (individual ou familiar), por exemplo, porque as operadoras privilegiam os planos empresariais e coletivos em sua estratégia de negócios. A nova lei, no entanto, vai obrigar que as empresas ofereçam esse produto praticamente extinto. Com isso, um grupo grande de pessoas que não é empregada em empresas que oferecem planos terão um plano à disposição e vão comprar.

O projeto também sugere a criação de um “plano acessível”, que terá cobertura reduzida (somente para consultas e exames, por exemplo) e preço mais baixo. Vai atender um público de renda menor, que ainda não tem plano, e que deseja ter acesso ao atendimento privado. O êxito do produto pode agregar milhões de beneficiários ao sistema.

Com preços mais competitivos e mais opções de escolha, além da esperada melhoria da economia em 2018, o mercado de planos de saúde deve experimentar um boom em curto prazo e é uma oportunidade promissora para quem deseja abrir o próprio negócio.

Comentários

Solicite seu
Orçamento Online

Solicite um orçamento online dos produtos comercializados pela Barela de modo simples e prático. Preencha os campos ao lado e envie o seu pedido. Em breve, nossa equipe entrará em contato.

  • 20 anos de experiência de mercado.
  • As maiores operadoras e seguradoras nacionais.
  • 500 mil clientes entre empresas e pessoas físicas.
  • Sim Não