portal seguro e saúde

Operadoras de Planos de Saúde repassam valor recorde ao SUS em 2017

Em:12/01/18 Por:barela

Os dados do último Boletim Informativo da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), divulgado no final do ano, mostram que os beneficiários de planos de saúde privada utilizaram o equivalente a mais de R$ 500 milhões em procedimentos médicos hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS), ao longo 2017. De acordo com as informações de ressarcimento ao SUS segmentadas por Estados, além do Distrito Federal, São Paulo registrou o maior e Roraima o menor valor de atendimentos identificados. Os números ainda não estão consolidados pela ANS, mas a expectativa é que representem um crescimento de 46% em relação a 2016.

É importante ressaltar que o uso do SUS por beneficiários de planos de saúde requer uma análise cuidadosa da agência reguladora, uma vez que é necessário identificar as hipóteses passíveis de ressarcimento ao SUS. A utilização do SUS pelos beneficiários das operadoras apenas acarreta o dever legal de ressarcir nas hipóteses em que os atendimentos poderiam também ter ocorrido nos planos de saúde, conforme previsto no artigo 32 da lei 9656/98.

Segundo o diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, o ressarcimento ao SUS é importante para regular as atividades de controle do mercado setorial e de proteção aos consumidores de planos de saúde. A identificação de atendimentos de beneficiários é obtida após um cruzamento de dados da ANS e informações registradas no SUS por Autorização de Internação Hospitalar (AIH) e Autorização de Procedimento Ambulatorial (APAC). O resultado do cruzamento é enviado por meio de Avisos de Beneficiários Identificados (ABIs) às operadoras, que podem acatar a cobrança ou contestá-la.

Até outubro de 2017, a ANS analisou mais de 466 mil atendimentos em primeira instância (após a contestação pelas operadoras) e pouco mais de 303,5 mil atendimentos em segunda instância. A expectativa é que até o final do ano sejam analisados mais de 550 mil atendimentos, ultrapassando a quantidade total de análises de 2016 – melhor ano da série histórica apresentada – em 3,21%. Quanto aos atendimentos analisados em segunda instância, se for mantida a média mensal deste ano, estima-se que sejam analisados mais de 350 mil atendimentos em 2017, ultrapassando a quantidade total de análises de 2014 – melhor ano da série história apresentada – em 147,86%.

“A atividade de análise consiste no julgamento individualizado dos atendimentos impugnados pelas operadoras. Embora esta atividade seja identificada como um dos gargalos no processo de ressarcimento ao SUS, esforços são constantemente empreendidos para aprimorar a metodologia de análise, promover a uniformização dos entendimentos e gerar mais eficiência no processo de ressarcimento”, explica Aguiar.

Comentários

Solicite seu
Orçamento Online

Solicite um orçamento online dos produtos comercializados pela Barela de modo simples e prático. Preencha os campos ao lado e envie o seu pedido. Em breve, nossa equipe entrará em contato.

  • 20 anos de experiência de mercado.
  • As maiores operadoras e seguradoras nacionais.
  • 500 mil clientes entre empresas e pessoas físicas.
  • Sim Não